São Paulo, segunda-feira, 02 de dezembro de 2019

A agenda de eventos e indicadores desta quarta-feira traz como destaques no Brasil o Boletim Focus(8:25) e dados de PMI dos EUA(11:45) e (12:00).

Ásia

As bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada nesta segunda-feira, à medida que dados animadores sobre a manufatura chinesa ajudaram a desviar a atenção dos investidores dos últimos entraves às negociações comerciais entre Estados Unidos e China.

Nos últimos dias, pesquisas mostraram que a atividade manufatureira da China está se recuperando, embora o país asiático continue num impasse em seu diálogo comercial com os EUA.

Segundo levantamento da IHS/Markit, o índice de gerentes de compras (PMI) do setor industrial chinês avançou de 51,7 em outubro para 51,8 em novembro, atingindo o maior patamar desde dezembro de 2016 e marcando o quarto mês consecutivo de expansão. Já a sondagem oficial de Pequim, que usa uma metodologia diferente, estimou que o PMI da indústria chinesa subiu de 49,3 para 50,2 no mesmo período, com a leitura acima de 50 apontando expansão da manufatura local pela primeira vez em sete meses.

Nos mercados acionários da China continental, o Xangai Composto teve leve alta de 0,13% hoje, a 2.875,81 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,22%, a 1.596,60 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng subiu 0,37%, a 26.444,72 pontos.

Apesar do apetite por risco na Ásia, incertezas continuam rondando as negociações comerciais entre EUA e China. Na semana passada, o presidente americano, Donald Trump, sancionou legislação que apoia os manifestantes pró-democracia em Hong Kong. O gesto de Trump, que gerou promessas de retaliação por Pequim, veio num momento em que as duas maiores economias do mundo tentam fechar um acordo comercial preliminar. No próximo dia 15, um novo aumento de tarifas dos EUA sobre importações chinesas está previsto para entrar em vigor.

Em outras partes da região asiática, o japonês Nikkei teve expressiva alta de 1,01% em Tóquio nesta segunda, a 23.529,50 pontos, alcançando o maior nível em cerca de 14 meses, enquanto o sul-coreano Kospi subiu 0,19% em Seul, a 2.091,92 pontos, e o Taiex registrou ganho de 0,12% em Taiwan, a 11.502,83 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o tom positivo da Ásia, e o S&P/ASX 200 avançou 0,24% em Sydney, a 6.862,30 pontos.

Europa

Os ânimos dos investidores europeus melhoraram na manhã desta segunda-feira em relação ao fechamento dos mercados na semana passada. O Stoxx-600 sobe 0,34%, a 408,80 pontos, com as principais bolsas do continente no azul, enquanto as moedas da região têm baixas em relação ao dólar. A avaliação de que ainda há um esforço entre as duas maiores potências do mundo para fecharem a “primeira fase” de um acordo comercial está por trás da melhora do humor ao mesmo tempo que dados promissores da indústria chinesa e europeia colaboram para o movimento de alta.

Uma aproximação comercial entre Estados Unidos e China vem sendo o principal foco dos mercados nos últimos meses. A atenção agora está voltada para o dia 15, quando há a programação de que os americanos passem a cobrar uma tarifa adicional de 15% sobre US$ 156 bilhões em produtos do país asiático. Desde o ano passado, os lados vêm se sobrecarregando de taxas extras, o que tem levado a uma tensão nos mercados financeiros globais, prejudicando o comércio no mundo e afetando o sentimento do consumidor em todo o planeta. Pequim exigiu que todos os impostos existentes sobre os produtos de seu país fossem limados como parte de qualquer acordo. Nesta madrugada, um jornal oficial da China reiterou o desejo de que Donald Trump atue de maneira “flexível” e “razoável”. Na semana passada, os dois lados disseram que a disputa estava próxima do fim.
A rodada de dador PMI vieram melhores do que o previsto, os PMIs da zona do euro e da Alemanha, maior economia do continente e tida como a mais preocupante em relação à proximidade de uma recessão.

Na zona do euro, o PMI industrial subiu de 45,9 em outubro para 46,9 em novembro, o maior patamar em três meses. As projeções apontavam para 46,6, o mesmo nível visto no indicador preliminar. No caso do indicador alemão para os mesmos meses, o que se viu foi um avanço de 42,1 para 44,1, o maior nível em cinco meses – a prévia e as previsões estavam em 43,8. Já o Reino Unido apresentou uma queda de seu PMI industrial, que passou de 49,6 para 48,9, que, no entanto, ficou acima da leitura prévia de 48,3. Após a divulgação, a libra esterlina reduziu suas perdas perante o dólar.


Petróleo

Os contratos futuros do petróleo ampliaram ganhos nesta manhã, exibindo valorização superior a 2%, após a Reuters noticiar que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados planejam aprofundar cortes na produção até pelo menos junho de 2020. Segundo fontes ouvidas pela agência de notícias, a proposta em discussão é ampliar os cortes em ao menos 400 mil barris por dia (bpd). Atualmente, Opep e aliados restringem sua oferta em 1,2 milhão de bpd. A Opep vai discutir o assunto em reunião na quinta-feira (05). No dia seguinte, será a vez do encontro da chamada Opep+, que inclui aliados como a Rússia. Mais cedo, a commodity já vinha sendo impulsionada por dados positivos de atividade (PMIs) manufatureira da China.

 

08:25 BRL/Boletim Focus
11:00 EUR/Discurso de Christine Lagarde, Presidente do BCE
11:45 EUA/PMI Industrial (Nov) 52,2 52,2
12:00 EUA/Índice ISM de Emprego no Setor Manufatureiro (Nov) 47,7
12:00 EUA/PMI Industrial ISM (Nov) 49,2 48,3
16:30 EUA/Petróleo – Posições líquidas de especuladores no relatório da CFTC 430,0K
16:30 EUA/Ouro – Posições líquidas de especuladores no relatório da CFTC 285,9K
16:30 EUA/CFTC Nasdaq 100 speculative positions 34,6K
16:30 EUA/S&P 500 – Posições líquidas de especuladores no relatório da CFTC -8,4K
16:30 BRL/BRL – Posições líquidas de especuladores no relatório da CFTC -42,9K
16:30 EUR/EUR – Posições líquidas de especuladores no relatório da CFTC -62,5K

Primeira semana: (Boa)
Índices Mundiais: (-)
Índice Dólar: (+/-)
Posição estrangeiros: (+/-) Sem posição dos Estrangeiros no contrato F20
Notícias Locais: (+/-)
S&P: (-)
Petróleo: (-)

Fechamento DOLF20: 4.242,50
Ajuste anterior DOLF20: 4.224,20
Ajuste DOLF20: 4.235,10